My Research in the News

In the News

Na Imprensa (Português)


In the News


Video interviews

Voice of America, October 9, 2006

Mexican Border Report
Violence Grips Mexican Border Cities

By Greg Flakus

Links to the video: Xvid, MP4, Real Media broadband or Real Media dialup

Back to the index


Press articles citing or discussing my work

Partial translation of selected press articles in Portuguese:


The Economist, October 27, 2011

Free exchange
Poetry
The economy in haiku

Uncertainty rules
While the economy suffers
Politics rejoices
-Pedro Albuquerque

Link to the article

Back to the index


Reason.com, July 6, 2009

The El Paso Miracle

How can a comparatively poor, high-immigration town that sits across the border from super-violent Ciudad Juarez be one of the safest big cities in America?

By Radley Balko

(citation is a hyperlink describing the situation in Laredo, TX)

Link to the article

Back to the index


UMD Statesman, November 12, 2008

Faltering economy directly affects students

By Kendra Richards

Link to the article

Back to the index


Brazil Wire, October 30, 2007

Arko Advice lists main items on tomorrow's agenda

The marathon of public hearings begins today in the Senate Constitution and Justice Committee (CCJ).

The invited guests for today’s session are [University of] Minnesota Professor Pedro Albuquerque; Ceará Institute of Tax Studies President Hugo de Brito Machado; National Bank of Economic and Social Development (BNDES) economist José Roberto Afonso; and Brazilian Tax Planning Institute (IBPT) President Paulo de Barros Carvalho.

The presentation of Senator Kátia Abreu’s (DEM) report on the Constitutional Amendment proposal (PEC) dealing with the prolongation of the Provisional Contribution on Financial Transactions (CPMF) and Independence of Union Revenues (DRU) through 2011 was postponed until November 11.

There will be more public hearings tomorrow and Thursday.

Guido Mantega is expected to present the government’s proposal for voting on the bill of Law (PLP 1/03) regulating Constitutional Amendment 29, which establishes the minimum percentage of resources to be invested in the area of health, today or tomorrow.

Back to the index


Brazil Wire, October 29, 2007

CCJ holds three days of public hearings on CPMF

This week the Senate Constitution and Justice Committee (CCJ) holds three days of public hearings to discuss the Constitutional Amendment proposal (PEC) extending the Provisional Contribution on Financial Transactions (CPMF) and Independence of Union Revenues (DRU) through 2011.

Tomorrow afternoon the guests will be University of Minnesota Professor Pedro Albuquerque; Ceará Institute of Tax Studies President Hugo de Brito Machado; National Bank of Economic and Social Development (BNDES) economist José Roberto Afonso; and Brazilian Tax Planning Institute (IBPT) President Paulo de Barros Carvalho.

Wednesday morning the committee will hear from former Finance ministers Pedro Malan and Antonio Palocci; former Economic Policy Secretary Marcos Lisboa; and former Finance Ministry Secretary of Economic Policy Samuel Pessoa.

On Wednesday afternoon the guests will be University of São Paulo Professor Márcio Issao Nakane; Tax Law specialist Ives Gandra Martins; Federation of Industries of the State of São Paulo (Fiesp) President Paulo Skaf; and Brazilian Federation of Banks (Febraban) President Fábio Colleti Barbosa.

In the Thursday morning meeting senators will hear Finance Minister Guido Mantega; Planning, Budget and Development Minister Paulo Bernardo; Health Minister José Temporão; and Social Development Minister Patrus Ananias.

Back to the index


Voice of America, October 9, 2006

Violence Grips Mexican Border Cities

By Greg Flakus

Link to the article
Flakus Repot (radio version): Real Media audio

Back to the index


Arizona Daily Star, September 26, 2006
also in
Tri-Valley Dispatch, October 10, 2006
Sioux City Journal, October 9, 2006
KTAR.com, October 7, 2006
KVOA.com, October 7, 2006
North County Times, October 3, 2006
Napa Valley Register, October 3, 2006

Daily Herald, September 27, 2006

Battle at the Border

Star Investigation: Along with tougher enforcement has come a spike in assaults on border agents, indicating smugglers are becoming more desperate

By Stephanie Innes

Links to the articles:
http://www.zwire.com/site/news.cfm?newsid=17306629&BRD=1817&PAG=461&dept_id=222087&rfi=6
http://siouxcityjournal.com/news/article_efebab23-917b-591f-82e3-495d64ef09ee.html
http://www.ktar.com/?nid=6&sid=236361
http://kvoa.com/Global/story.asp?S=5510159
http://www.nctimes.com/articles/2006/10/03/news/top_stories/4_02_5510_2_06.txt
http://www.napavalleyregister.com/articles/2006/10/03/news/national/doc4521e54517ade309278594.txt
http://www.heraldextra.com/content/view/194370/3/

Back to the index


The International Herald Tribune, March 11, 2005

Commentary: India needs to curb tax evasion, but not this way

By Andy Mukherjee, Bloomberg News

Link to the article

Back to the index


Valor Econômico, August 1, 2007

The government does not need the Bank Account Debits Tax

By Cristiano Romero

The success of the Bank Account Debits Tax revenue history is accompanied by mounting evidence of the distortions it causes. Research by economist Pedro H. Albuquerque, cited in an article written by Cláudio Adílson, a partner of MCM Associate Consultants, shows that the tax leads to an increase of Treasury bonds interest rates equal to 0.9 percentage points, generating additional expenditures for the National Treasure of the order of R$ 9 billion.

Back to the index


Bom Dia Bauru, May 5, 2007

Bank Account Debits Tax revenue amounts to R$ 11 billion in four months

Brazilians have yet paid this year 34% of the total revenue of 2006. The tax was supposed to be temporary at creation

By Reinaldo Chaves

Specialist: tax design is detrimental to the economy

The study "The Economic Impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) – Theory and Evidence” (“Os Impactos Econômicos da CPMF – Teoria e Evidência”), by economist Pedro Albuquerque, previously a Central Bank economist and currently a professor of economics with Texas A&M International University, shows that the tax harms the economy, since it is one of the factors responsible for high credit costs in the country, preventing interest rate reductions.

Back to the index


Última Instância, November 6, 2006

CPMF — The good tax myth

By Marcelo da Silva Prado

One of the studies that proves this effect was written by Central Bank economist Pedro Henrique Albuquerque. He concludes that the CPMF is contributing to the increase of the public deficit, since the government has to pay higher interests when rolling the debt when compared with what would be paid without the CPMF. The same would occur in the case of the private sector, as the CPMF directly affects the cost of capital for firms and all other borrowers...

Back to the index


O Estado de São Paulo newspaper, May 11, 2003

Bank Account Debits Tax: the Treasury won. Who will lose?

By Maílson da Nóbrega

…Revenue service policymakers do not need to examine the consequences of their proposals. Their goal is to secure revenue, and they are evaluated by revenue performance. It is the task of other governmental divisions, including the monetary authority, to point out possible risks, when they exist, and this has been done.

The research division of the Central Bank of Brazil produced two excellent working papers alerting for the problems of the Bank Account Debits Tax: “The Economic Impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) – Theory and Evidence” (“Os Impactos Econômicos da CPMF – Teoria e Evidência”), by Pedro Albuquerque, June 2001; and “The Effects of the Bank Account Debits Tax on the Financial Intermediation” (“Os Efeitos da CPMF sobre a Intermediação Financeira”), by Sérgio Koyama and Márcio Nakane, July 2001. The two papers are available at www.bcb.gov.br (click on “publicações”)...

Many analysts defended this tax for believing that a small rate would not affect the financial turnover rates. This tax however may create financial intermediation inefficiencies, even with tiny rates, due to the increase of transaction costs. This happens because the financial market profit margins fell dramatically with the increase in market efficiency and competition. For example, the transaction cost in the New York Stock Exchange, where the Brazilian ADRs are negotiated, is less than the current Bank Account Debits Tax at a rate of 0.38%.

The Treasury won. Who will lose once the bill passes? The answer is: Brazil and the country’s economic growth potential.

Back to the index


Diario de Pernambuco newspaper, December 10, 2001

Tax exists in other countries

The Bank Account Debits Tax does not exist only in Brazil. According to Albuquerque, different versions of this tax have been employed in other countries during the last twenty years...

Back to the index


O Globo newspaper, July 30, 2001

Bank Account Debits Tax reduces monthly use of checks from 340 million to 200 million

By Vivian Oswald and Isabel Sobral*

…According to the article written by Central Bank researchers, the tax reduces the returns on financial instruments, since the banks transfer the costs of the tax to the costumers. Savers pay the tax both for themselves and for the banks…

This is the second article published by the Central Bank of Brazil showing the negative effects of the tax on financial transactions... The President of the Central Bank, Armínio Fraga, defends the exemption of the tax for stock market transactions. Recently, the government considered the possibility of exempting stock market investment funds, but finally decided to maintain the tax as it is…

(*) From GloboNews.com

Back to the index


O Povo newspaper, July 30, 2001

Costumers reduce the use of checks to evade the Bank Account Debits Tax

Studies made by Central Bank researchers show that the use of checks is down due to the Bank Account Debits Tax (CPMF). From July 1994 to February 2001, the number of checks issued in one month went down from 340 million to 200 million.

The conclusion of a study by Central Bank researchers in Brasilia was published last weekend on the Central Bank home page (www.bcb.gov.br). The institution had already made another article public in July. The article, by Pedro Albuquerque, a researcher with the Central Bank Department of Economic Research, affirmed that the tax could raise the public deficit due to the increased cost of servicing the public debt...

Back to the index


O Estado de São Paulo newspaper, July 30, 2001

The use of checks has fallen with the Bank Account Debits Tax

Many Brazilians are opting for not using banks

By Gustavo Freire

BRASILIA – The collection of the Bank Account Debits Tax (CPMF) is leading the Brazilian population to use fewer checks and to transact outside the banks. This is the conclusion of a new study by Central Bank of Brazil researchers, published on its home page (www.bcb.gov.br) last weekend.

In June, the institution, directed by the economist Armínio Fraga, had published another article by Pedro Albuquerque, researcher with the Department of Economic Research of the Central Bank, which stated that the contribution could raise the public deficit due to the increased cost of servicing the public debt…

Back to the index


Jornal do Commercio newspaper, July 17, 2001

The unusual Bank Account Debits Tax

Antonio Oliveira Santos

President of the National Confederation of Commerce

The concerns regarding the Bank Account Debits Tax are supported, with solid and irrefutable arguments, in a study published recently by a high-level governmental source. It is an article of the Central Bank Department of Economic Research, written by the economist Pedro H. Albuquerque. According to the article, “economic theory and the international and Brazilian experience suggest that the Bank Account Debits Tax (CPMF) has significant drawbacks as a revenue collection tool.”

“The introduction of the tax,” says the study, “harms the economy through the reduction of capital stock, production and wages. The Bank Account Debits Tax levies on investments and, as such, disincentives the accumulation of capital. The tax penalizes specialization. Domestic taxpayers lose, since they pay the Bank Account Debits Tax on any other tax payments, and are less capable of bank disintermediation when compared with agents in the informal sector. Interest and dividend rates increase. Debtors are the biggest losers, what impairs the expansion of the credit system in Brazil.”

The government loses under the perspective of spending, since the cost of servicing the public debt increases with the interest rates. The Bank Account Debits Tax generates unnecessary disintermediation and illiquidity costs. As the study concludes, this tax hurts the economic activity, and is socially unfair, since the government cannot choose the degree of uniformity of the incidence base…

Back to the index


Revista da Adeval nº131/133 magazine, June 2001

EDITORIAL

A Bank Account Debits Tax that does not affect the stock exchange

Central Bank study the impacts of the Bank Account Debits Tax

A working paper by Pedro H. Albuquerque, from the Department of Economic Research of the Central Bank of Brazil, studied the economic impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) in the Brazilian economy from the perspective of economic theory and international experience. What became clear is that the CPMF presents significant deficiencies as revenue collection instrument. The CPMF was created with the objective of being an efficient instrument, levying on the informal economy and minimizing evasion. The tax authority however, as discussed in the paper, misunderstood the importance of the financial intermediation for the dynamism of the economy…

Back to the index


no.com.br magazine June 30, 2001

The Art of the possible

...Additionally, the federal government maintains a conservative approach to revenue collection, driven by the need to generate primary surpluses. A proof is the extension of the Bank Account Debits Tax (CPMF), which looks more and more like a permanent tax, despite its numerous shortcomings – as enumerated, once more, in a working paper published by the Department of Economic Research of the Central Bank of Brazil. In this paper, the economist Pedro H. Albuquerque reviews the negative effects of this tax on the economy, debunking the fallacy that it has the advantage of levying on the informal sector of the economy.

Some of the CPMF negative effects are not visible to the naked eye – like the additional cost of servicing the public debt, which may even surpass the additional revenue, according to Albuquerque. Other effects, such as financial disintermediation, may take time to kick in, but will eventually take place. Unfortunately, those arguments were not able to shake the fallacious logic of the Revenue Service, which can only see one side of the equation, and which was able to veto the tax exemption for stock market transactions, previously announced by the President of the Central Bank, Armínio Fraga. The public deficit seems to be under control, but at what price?

Back to the index


O Estado de São Paulo newspaper, June 27, 2001

EDITORIAL

More arguments against the Bank Account Debits Tax (CPMF)

…The study, produced by economists from the National Development Bank, was once described in this newspaper. The other study, signed by Pedro Henrique Albuquerque, of the Department of Economic Research of the Central Bank of Brazil, reinforces the conclusion of the first study, and shows that the gains for the Treasury with the Bank Account Debits Tax (CPMF) may be much smaller than what the defenders of the tax assert…

The CPMF is, according to its defenders, universal, efficient, hard to evade, and able to levy on the underground economy. It may not only collect revenues for the Treasury, but also increase the tax auditing process efficiency.

All those arguments are however questionable according to the study, which presents a long list of shortcomings of the “check tax”…

Back to the index


O Estado de São Paulo newspaper, June 27, 2001

Learning the hard way

It took time, but Brasília finally noticed the real world

By Rolf Kuntz

...Will it be just another tax extension? If the government wants to transform this fiscal aberration in a permanent tax, it may have the support of the Workers Party. The Party just admitted that the tax might not be so bad, if levied with a small rate. It would serve – and here they agree with the government – to fight tax evasion. This argument was silly before, but became even more so after a study by a Central Bank economist, Pedro H. Albuquerque, was published last week: taxes like the Bank Account Debits Tax (CPMF) tend to erode its own incidence base. They may create exactly the opposite effect of what their defenders wish when they describe them as a powerful instrument for fighting tax evasion and money laundering. It would be a good thing if the economists from the Worker Party could look at this study – if they have not done it yet – before they commit to the defense of such bad tax…

Back to the index


O Globo newspaper, June 24, 2001

Government intends to extend the Bank Account Debits Tax (CPMF) until 2003

By Ênio Vieira and Isabel Sobral

...A study published last week by the Central Bank (“The Economic Impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) – Theory and Evidence”) lists the distortions caused by the tax. Signed by Pedro Albuquerque, of the Department of Economic Research, the study shows how the CPMF increases the cost of credit and ends up being a double-edged knife, since the government pays the tax on bond transactions…

Back to the index


Jornal da Tarde newspaper, June 22, 2001

Study associates tax with high interest rates

The rate of the Bank Account Debits Tax (CPMF), in the case of an eventual increase, should not pass 0.60%, under the risk of making the cost of servicing the public debt larger than the collected revenue, according to a theoretical study published by the Central Bank of Brazil on its home page…

“It should be noticed that the calculation considers the optimistic scenario,” says the study... A researcher with the Department of Economic Research (Depep) of the Central Bank, the economist Pedro Albuquerque estimates that a CPMF of 0.60% would imply a cost of R$ 5.698 billion (0,53% of the GDP)… “The current cost of the tax, with a rate of 0.38%, is of 0.37% of the GDP (R$ 3,978 billion),” states Albuquerque. He sustains that the numbers confirm his thesis that the CPMF feeds into the public deficit.

The impact of the CPMF on the public debt real interest rate, according to the study, is 0.93% with a tax rate of 0.38%, and could reach 1.34% with a rate of 0.60%. The calculations, according to the Central Bank economist, considered a debt/GDP ratio of 40.2%.

Back to the index


O Estado de São Paulo newspaper, June 22, 2001

High interest rates are associated with the Bank Account Debits Tax (CPMF), says study

Article written by Central Bank economist shows tax inefficiency

The Bank Account Debits Tax (CPMF) is apparently responsible, among other factors, for the high cost of credit, and may be compromising the government effort to reduce interest rates, creating disincentives for the expansion of the credit market and possibly causing the transfer of financial resources from Brazil to other countries. These conclusions are part of a study made by the economist Pedro H. Albuquerque, with the Department of Economic Research (Depep) of the Central Bank of Brazil…

In the study titled “The Economic Impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) – Theory and Evidence” (“Os Impactos Econômicos da CPMF – Teoria e Evidência”), Albuquerque, a graduate student at the University of Wisconsin (USA), affirms that the CPMF presents significant deficiencies as revenue collection tool…

Gustavo Freire/AE

Back to the index


Valor Econômico newspaper, June 21, 2001

Central Bank study shows that the government is the largest payer of the Bank Account Debits Tax (CPMF)

By Claudia Safatle, from Brasília

The government is itself the largest payer of the Bank Account Debits Tax (CPMF). This happens because the CPMF is paid by all debtors in the financial market. Since the government is the largest debtor, it ends up being the largest taxpayer. In other words, part of the R$ 18 billion that the government levies per year is nothing more than “fictitious revenue.”

This is one of the conclusions of a study made by economist Pedro Henrique Albuquerque, with the Central Bank, titled “The Economic Impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) – Theory and Evidence” (“Os Impactos Econômicos da CPMF – Teoria e Evidência”), in one of the first attempts to measure the damages to the economy caused by this tax. The CPMF is in force until June 2002 according to current legislation, when a new government proposal shall extend it. The Workers Party has yet declared to be in favor of the tax permanence.

The government has discovered that extending the CPMF is a more palatable choice for the Congress than debating the creation of a substitute tax. The study by Albuquerque is therefore opportune, given the status quo…

Back to the index 


Folha de São Paulo newspaper, June 21, 2001

Central Bank publishes study containing strong criticism of the check tax

By Marcelo Billi

The Bank Account Debits Tax (CPMF) increases the interest rates for debtors, increases the public debt, and reduces competition among firms.

The tax, which collected more than R$ 42 billion for the Treasury in between 1993 and 2000, is also unfair. First, because when paying other taxes a person ends up paying more CPMF. Second, because the tax is neither selective nor progressive, for example, a transaction of R$ 1 million and a transaction made by a worker on a salary of R$ 500 face the same tax rate.

These are some of the criticisms raised by economist Pedro Albuquerque, author of the article “The Economic Impacts of the Bank Account Debits Tax (CPMF) – Theory and Evidence” (“Os Impactos Econômicos da CPMF – Teoria e Evidência”), published by the Depep (Department of Economic Research of the Central Bank of Brazil).

Albuquerque used statistical models to estimate the effects of the CPMF on the economy…

Back to the index


Na Imprensa (Português)

Artigos em português que citam ou discutem meus trabalhos

Press articles in Portuguese citing or discussing my work



Midiamax, October 30, 2007

CCJ do Senado recebe ministros para debater sobre CPMF

Jornal do Brasil, October 29, 2007

Autoridades vão debater na CCJ

Gazeta de Novo, October 30, 2007

Verdes Mares, October 28, 2007

CCJ recebe ministros e ex-ministros para debater prorrogação da CPMF

Paraiba.com.br, October 27, 2007

CCJ debate prorrogação da CPMF e da DRU, nesta terça-feira

Agência Senado

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) inicia na próxima terça-feira (30), às 15h, uma série de audiências públicas destinadas a instruir a proposta de emenda à Constituição (PEC) que prorroga até 2011 a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e a Desvinculação de Receitas da União (DRU). Após a audiência, a CCJ colocará em discussão e votação as cinco emendas ao PL 31/07, que dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008-2011. O relator da matéria é o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Para a primeira audiência foram convidados o professor da University of Minnesota, Pedro H. Albuquerque; o presidente do Instituto Cearense de Estudos Tributários, Hugo de Brito Machado; o economista do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), José Roberto Afonso; e o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Paulo de Barros Carvalho.

A segunda e a terceira audiências ocorrerão no mesmo dia, próxima quarta-feira (31), em horários diferentes, às 10h e às 15h. A audiência da manhã terá como convidados o ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan; o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcos Lisboa; o ex-ministro da Fazenda e deputado federal, Antonio Palocci (PT-SP); e o economista e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Samuel Pessôa.

Na audiência da tarde, os convidados são o professor da Universidade de São Paulo (USP), Márcio Issao Nakane; o advogado tributarista Ives Gandra Martins; o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf; e o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Fábio Colletti Barbosa.

Em sua quarta e última audiência pública, na próxima quinta-feira (1), a partir das 10h, a CCJ receberá como convidados os ministros da Fazenda, Guido Mantega; do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo; da Saúde, José Gomes Temporão; e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias.

Para a relatora da matéria na CCJ, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), as audiências enriquecerão o seu relatório. Ela rebateu a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que "nenhum governo do mundo quer perder R$ 40 bilhões", total estimado para a arrecadação da CPMF.

- Eu digo que ninguém pode perder aquilo que não é seu. O dinheiro não está perdido, está mais do que achado no bolso dos trabalhadores. Deixar os cidadãos com R$ 40 bilhões é encontrar uma grande solução e não perder - afirmou.

Veja a programação das audiências:

Terça-feira (30), 15h Convidados: - Paulo de Barros Carvalho, professor de Direito Econômico e Financeiro da Universidade de São Paulo (USP). - José Roberto Afonso, economista do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). - Hugo de Brito Machado, juiz aposentado e professor de Direito Tributário. - Pedro Albuquerque, professor de Economia na University of Minnesota Duluth.

Quarta-feira (31), 10h Convidados: - Antonio Pallocci, deputado federal e ex-ministro da Fazenda. - Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda. - Marcos Lisboa, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. - Samuel Pessôa, professor de Economia da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro.

Quarta-feira (31), 15h Convidados: - Ives Gandra Martins, advogado tributarista. - Paulo Skaf, presidente da Fiesp. - Márcio Issao Nakane, professor de Economia da USP. - Fábio Colletti Barbosa, presidente da Febraban.

Quinta-feira (1º), 10h Convidados: - Guido Mantega, ministro da Fazenda. - Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão. - José Gomes Temporão, ministro da Saúde. - Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

NOTA PESSOAL: a despeito do que foi noticiado em vários jornais brasileiros, eu não recebi convite formal do Senado brasileiro para participar do evento, por razões que desconheço.

Back to the index


O Estado de São Paulo, October 26, 2007

CCJ prepara maratona de audiências para discutir CPMF

Nélia Marquez - Agência Estado

BRASÍLIA - Quatro ministros, dois ex-ministros, economistas e banqueiros participam na próxima semana da maratona de audiências públicas marcadas pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para discutir a proposta de emenda constitucional que prorroga até 2011 a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e o mecanismo de Desvinculação de Receitas da União (DRU).

Para a primeira audiência, marcada para esta terça-feira, foram convidados Pedro Albuquerque, professor da University of Minnesota; Hugo de Brito Machado, presidente do Instituto Cearense de Estudos Tributários; José Roberto Afonso, economista do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); e Paulo de Barros Carvalho, presidente Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET).

Duas audiências estão marcadas para quarta-feira. Uma, na parte da manhã, com a participação dos ex-ministros da Fazenda Pedro Malan e Antonio Palocci, o economista Marcos Lisboa, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da fazenda, e Samuel Pessoa, economista e Professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Na outra, à tarde, participarão Márcio Issao Nakane, professor da Universidade de São Paulo (USP); Ives Gandra Martins, advogado especialista em Direito Tributário e Finanças; Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP); e Fábio Colletti Barbosa, presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

A quarta audiência pública foi marcada para a quinta-feira com a participação dos ministros da Fazenda, Guido Mantega, do Planejamento, Paulo Bernardo, da Saúde, José Gomes Temporão, e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias.

Texto corrigido em 30 de outubro, às 15h39. Diferentemente do que foi informado, Paulo de Barros Carvalho é presidente do IBET, Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, e nao do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

NOTA PESSOAL: a despeito do que foi noticiado em vários jornais brasileiros, eu não recebi convite formal do Senado brasileiro para participar do evento, por razões que desconheço.

Back to the index


Valor Econômico, August 1, 2007

Governo não precisa da CPMF

Cristiano Romero

O governo não precisa, para equilibrar as contas públicas, da prorrogação da vigência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que, pela legislação atual, expira em 31 de dezembro deste ano. Apenas nos primeiros seis meses do ano, a arrecadação de tributos e de outras receitas (inclusive, previdenciárias) cresceu, em termos reais, R$ 26 bilhões, pouco menos do que se recolhe anualmente com a CPMF (R$ 32 bilhões em 2006).

Não há nada que indique que, na segunda metade do ano, a arrecadação vá parar de crescer. O governo chegará tranqüilamente a dezembro com uma receita adicional, no ano, superior ao resultado da CPMF. Levando-se em conta que, nos últimos quatro anos, o Ministério da Fazenda promoveu desonerações tributárias que, no total, somaram renúncia de R$ 30 bilhões, não há mais como justificar a manutenção de um tributo tão perverso para a economia como a CPMF.

Aprovar simplesmente a prorrogação da contribuição é autorizar o governo a continuar aumentando seus gastos. No fundo, é o que tem acontecido. Mais dinheiro no cofre incentiva a criação de mais despesa. Se a receita total cresceu, em termos nominais, 13,15% entre janeiro e junho, a despesa avançou 12,74% no mesmo período, e os dois resultados ficaram bem acima do ritmo de expansão do PIB nominal (9,8%, segundo estimativa da Secretaria do Tesouro Nacional).

No primeiro semestre, os gastos do governo com pessoal aumentaram 12,77% em relação ao mesmo período do ano passado. Já as despesas com custeio e capital avançaram 12,98%. O aumento da arrecadação está sendo consumido, portanto, pela elevação desses gastos. E o governo ainda foi ao Congresso Nacional para pedir a prorrogação da CPMF por mais quatro anos. Não seria mais lógico cortar gastos e conter sua expansão, livrando a sociedade da cobrança de um tributo anacrônico?

Governos - e este é um mal que não assola apenas a gestão Lula, uma vez que a CPMF foi criada, como imposto, na gestão Itamar Franco (1992-1994) e recriada e prorrogada no governo FHC - adoram tributos como a CPMF. O recolhimento é de baixo custo administrativo para o Fisco. Sua arrecadação cresce ano a ano, de forma ininterrupta - pulou de 0,79% do Produto Interno Bruto (PIB) em 1997 para 1,38% do PIB em 2006, devendo atingir 1,46% do PIB neste ano, segundo estimativa do economista Amir Khair. Em dez anos de vigência, a contribuição arrancou da sociedade R$ 235,8 bilhões (a preços de 2006).

Quanto maior é o sucesso arrecadador da CPMF, maiores são também as evidências das distorções que ela provoca. Estudo feito pelo economista Pedro H. Albuquerque, citado num trabalho elaborado por Cláudio Adílson, sócio da MCM Consultores Associados, mostra que a contribuição aumenta em cerca de 0,9 ponto percentual a taxa de juros dos títulos públicos, o que, por sua vez, gera despesa adicional com juros, para o Tesouro Nacional, de aproximadamente R$ 9 bilhões.

Economia Subterrânea cresceu com o tributo

O tributo também encarece o cheque especial (em 6% ao ano), o hot money (4,7%) e os empréstimos pessoais (3,3%). "Portanto, aumenta a despesa pública, inibe o investimento (maior custo de capital) e desestimula a expansão do crédito (efeitos nocivos sobre a produtividade da economia)", diz Adílson em seu estudo, intitulado "CPMF - O Pior dos Impostos".

Um trabalho de 2004 feito por dois economistas da Fundação Getúlio Vargas (FGV) de São Paulo - Paulo Roberto Arvate e Cláudio de Lucinda - derrubou um dos mitos que cercam a CPMF: o de que o tributo seria um poderoso instrumento de combate à sonegação. A idéia é que, a partir do recolhimento da contribuição, o Fisco tem condições de estimar a renda dos contribuintes e calcular se eles estão honrando adequadamente suas obrigações tributárias. Embora isso seja possível, os números mostram que, na verdade, a criação da CPMF não resultou em maior eficiência no combate à sonegação.

A pesquisa dos dois economistas revela que a chamada Economia Subterrânea (ES) cresceu de forma consistente durante o período em que a CPMF passou a vigorar - pulou de 20% do PIB em 1995/96 para cerca de 39% do PIB em 2002. O aumento da ES gerou perda de receita potencial ("tax-gap", no conceito em inglês) e a CPMF, segundo o estudo, vem aumentando sua participação no "tax-gap" - no início de sua cobrança, respondia por 6,67%, em média, da perda de receita potencial e, em 2002, chegou a 8,74%.

"Há fortes evidências de que a CPMF vem influenciando no crescimento da ES, não o contrário, como se supunha pelos argumentos defendidos por deputados e senadores no momento de sua implementação", concluem os autores do estudo.

A idéia de que a CPMF tributa o setor informal da economia é falsa, na avaliação de Cláudio Adílson. "Ela onera desproporcionalmente o contribuinte honesto, pois, por ser em cascata, incide também sobre os demais impostos. Como os agentes informais não pagam impostos, estes incorrem em um número menor de fatos geradores da CPMF", diz o sócio da MCM. "É mais fácil aos agentes informais evadirem-se do pagamento da CPMF, deixando de utilizar os serviços bancários. Para os formais, a necessidade de utilizar tais serviços é maior", acrescenta o analista, lembrando que é mais fácil para os informais fugir do sistema bancário, portanto, da CPMF, do que de alguns impostos clássicos (IPVA, IPTU etc.).

Back to the index


Bom Dia Bauru, May 5, 2007

Arrecadação da CPMF é de R$ 11 bi em quatro meses

Brasileiros já pagaram neste ano 34% do total arrecadado em 2006 com a contribuição financeira que nasceu provisória

Reinaldo Chaves

O ano de 2007 não chegou nem na metade, mas os brasileiros já pagaram mais de R$ 11 bilhões de CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) nos primeiros quatro meses. O valor é 34% do total de 2006, que foi de R$ 32 bilhões, segundo a Receita Federal.

O cálculo de quanto CPMF é paga é feito diariamente pela calculadora do site www.xocpmf.com.br, movimento organizado por entidades como a Associação Comercial de São Paulo e o Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis de São Paulo, com o intuito de impedir que a arrecadação se torne permanente.

A partir de dados da Receita, o site calcula o quanto de contribuição é arrecadada por dia.

Mas é isso que o governo vem sinalizando. No final de abril, ele confirmou a intenção de prorrogar a cobrança de 0,38% sobre todas as movimentações financeiras até 2011.

Essa não é a primeira proposta elaborada pelo Executivo sobre o tema. Uma outra estipulava que a CPMF fosse reduzida gradativamente a partir de 1º de julho de 2005, até chegar a 0,08% em 1º de janeiro de 2008.

Exatamente por conta da criação dessa novo projeto, que ainda não foi aprovada, no início de abril foi lançada a campanha Xô CPMF.

O consultor de vendas Eduardo Carrara, 23, adota uma estratégia alternativa para não pagar CPMF da sua conta corrente. No início do mês, quando recebe o salário, transfere toda a quantia para uma conta poupança.

“Só pago CPMF uma vez e na poupança posso movimentar várias vezes sem pagar, eu acho que acaba mais em conta”, diz.

Para especialista, modelo é prejudicial

O estudo “Os Impactos Econômicos da CPMF: Teoria e Evidência”, do economista Pedro Albuquerque, ex-Banco Central e atual professor da universidade Texas A&M International, mostra que a contribuição traz prejuízos para a atividade econômica por ser uma das responsáveis pelo alto custo do crédito além de contribuir para dificultar a queda das taxas de juros.

“A contribuição não incentiva a expansão do mercado de crédito e tem possivelmente causado transferência de recursos financeiros de mercados brasileiros para outros países”, diz. Albuquerque lembra que a contribuição foi criada com a justificativa de que incidiria sobre a economia informal, além de dificultar a evasão fiscal. “Porém, houve incompreensão quanto à importância da intermediação financeira para o desenvolvimento econômico e para o bom funcionamento da economia”, finaliza.

Imposto incide sobre cascata nas transações

O economista Mauro Gallo afirma que é correto dizer que a CPMF é um tributo que incide em cascata. “A cobrança vai sendo feita em cada passagem mesmo que o valor fosse igual, inúmeras vezes, tantas quantas circular por conta bancária”.

Na simulação acima criada pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), Gallo comenta que para economizar na CPMF os personagens deveriam agir de outra forma.

Se o vendedor da casa já soubesse da compra do carro de R$ 60 mil, deveria antes ter solicitado dois cheques ao comprador e ter passado um diretamente ao vendedor do carro. Assim, economizaria R$ 228.

Já a vendedora do carro, sabendo que deveria passar R$ 30 mil para a mãe pagar pedreiros, precisaria solicitar ao comprador do carro que somente desse um cheque de R$ 30 mil e os outros R$ 30 mil fossem pagos em dinheiro. Dessa maneira, a economia seria de R$ 228,00.

“Logicamente, que não dá para fazer as duas coisas, pois fica muito difícil saber tudo que irá acontecer futuramente, mas comprador e vendedor podem cuidar pelo menos do que eles já sabem”, explica.

A conta poupança também gera economia. Após 90 dias, há vários bancos que providenciam o reembolso do dinheiro cobrado.

Percentual deveria ser mais baixo, acha economista

O economista Mauro Gallo comenta que a CPMF é muito importante por possibilitar cobrar também prováveis sonegadores. “Mas não precisava ser neste percentual tão alto, podendo ser mais baixo como estava previsto anteriormente”, acredita. “O problema é que depois que o governo se habitua com uma receita e já tem gastos que a consome, como fazer para reduzir?”

Back to the index


Última Instância, November 6, 2006

CPMF — O mito do bom tributo

Marcelo da Silva Prado

 

A cobrança de tributos sobre os débitos bancários teve início com a criação do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), instituído pela Emenda Constitucional nº 3/1993.

Posteriormente, com a Emenda Constitucional nº 12/1996 foi instituída a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) que deveria durar apenas dois anos, com alíquota de 0,25% e fatos geradores semelhantes aos do IPMF. A receita dessa contribuição deveria ficar vinculada integralmente ao Fundo Nacional de Saúde, para financiamento das ações e serviços de saúde.

Sucede que o provisório está se transformando em permanente e a CPMF que deveria morrer ao final de dois anos da sua criação, foi sucessivamente prorrogada, teve a sua alíquota aumentada para 0,38% e alterou-se parcialmente a destinação da sua receita: uma parte para a saúde e outra parte para a Seguridade Social (incluindo-se aqui o fundo de combate à pobreza).

Ao final de 2007 o governo deverá decidir novamente se prorroga ou não a cobrança da CPMF. Por essa razão, discutiremos os efeitos dessa contribuição na economia nacional que devem ser levados em conta nessa decisão.

A CPMF, segundo os seus defensores, seria um exemplo de modernidade e de eficiência econômica, na medida em que seria de difícil sonegação, de fácil e barata arrecadação e ainda ajudaria na fiscalização (por cruzamento de dados).

A nossa crítica a CPMF reside no estrago que esse tributo causa na economia, o que demonstra que o legislador brasileiro não priorizou a análise “do todo” ao instituir essa cobrança e tão pouco, fez uma análise aprofundada dos seus impactos sobre a atividade de intermediação financeira e sobre as demais atividades, o que, não compensaria os efeitos arrecadatórios da CPMF (durante o ano de 2005 a CPMF arrecadou vinte e nove bilhões aos cofres federais).

A criação da CPMF nos parece emblemática dessa falta de visão do nosso legislador, pois o foco se deu apenas no potencial de arrecadação imediata e na abrangência dessa contribuição, que incidiria sobre a economia informal e dificultaria a evasão fiscal.

A eficiência desse tributo em termos arrecadatórios é quase inquestionável se olharmos apenas sob o prisma do resultado final, porém, a CPMF prejudica a atividade de intermediação financeira, que é a base para o desenvolvimento das demais atividades econômicas, na medida em que a cobrança desse tributo encarece fortemente essa atividade, que acaba engessando a economia e inflacionando a taxa de juros e o “spread” bancário praticado no país, resultando inclusive num custo para o próprio governo, que é o maior devedor.

Um dos estudos que comprovam esse efeito é o trabalho do economista do Banco Central (BC) Pedro Henrique Albuquerque em que se conclui que a CPMF está contribuindo para o aumento do déficit público, pois o governo tem de pagar juros mais elevados na rolagem da dívida pública do que poderia ser pago sem a CPMF. O mesmo ocorreria para a iniciativa privada, segundo evidências de que a CPMF afeta diretamente o custo de capital das firmas e de todos os tomadores de crédito, a partir de dados levantados pela Secretaria de Política Econômica citados nesse trabalho.

O peso da CPMF sobre os juros da dívida mobiliária é de um aumento de 0,93% com a alíquota atual de 0,38%. De forma que, a CPMF teria um custo estimado, em razão do carregamento da dívida pública mobiliária federal, de quase 0,5% do PIB.

Levando-se em conta que a arrecadação de vinte e nove bilhões com a CPMF no ano de 2005, equivale a 1,5% do PIB, o governo indiretamente paga um terço do que arrecada com o pagamento dos juros da dívida pública majorados pela CPMF. Melhor explicando, a cada R$ 3 arrecadados com a CPMF o governo devolve R$ 1 com o seu custo indireto na rolagem da dívida pública.

Os cálculos do economista do BC foram realizados levando em conta uma dívida de 40,2% do PIB, que era o percentual no início de 2001, e que hoje seriam significativamente maiores tendo-se em vista a piora da relação dívida / PIB, hoje na casa dos 51%.

Não é difícil entendermos como a CPMF encarece o juros e reduz o ganho do investidor de títulos públicos federais (fundos DI e RF, por exemplo). Quem for aplicar R$ 1.000 terá R$ 3,80 (custo inicial com a CPMF) a menos na sua conta corrente. Se imaginarmos que um dia o Brasil terá taxas de juros civilizadas, quanto menor forem às taxas de juros, maior será o custo relativo da CPMF sobre o montante da taxa.

A CPMF, não obstante todas as críticas de que é merecedora, se mostrou eficaz no combate à sonegação e à evasão tributária, e poderia ser mantida com uma alíquota mínima, muito próxima de zero, apenas para auxiliar a Receita Federal no seu trabalho fiscalizatório.

Na próxima semana continuaremos a discutir os outros efeitos negativos da CPMF.

Back to the index


O Estado de São Paulo, May 11, 2003

CPMF: a Receita ganhou. Quem perderá?

Maílson da Nóbrega

A Secretaria da Receita Federal é a grande vitoriosa da proposta de reforma tributária do governo Lula, que acolhe sua idéia de perpetuar a CPMF. Em meu artigo de 23/3/2003, assinalei que isso seria uma temeridade. Hoje, aduzirei alguns argumentos.

Tenho sido uma voz praticamente isolada na luta contra a idéia, mas acho que vale a pena insistir, mesmo sabendo que são mínimas ou nulas as chances de o governo me ouvir. Tenho estudado o tema desde 1989, quando surgiu a proposta do imposto único sobre as transações financeiras, que antes de morrer deixou uma dica ao governo para criar em 1993 o IPMF, atual CPMF.

Os administradores tributários não precisam a rigor examinar as conseqüências de suas propostas. Seu foco é a arrecadação e seus dirigentes são avaliados pelo comportamento da receita. Cabe a outros departamentos do governo, incluindo a autoridade monetária, apontar os respectivos riscos, quando houver. E isso foi feito.

A área técnica do Banco Central produziu dois ótimos trabalhos para discussão, alertando para os problemas da CPMF: "Os Impactos Econômicos da CPMF - Teoria e Evidência", de Pedro Albuquerque, Junho/2001; e "Os Efeitos da CPMF sobre a Intermediação Financeira", de Sérgio Koyama e Márcio Nakane, Julho/2001. Ambos estão disponíveis no endereço www.bcb.gov.br (clicar em "publicações").

O Departamento de Estudos Fiscais do FMI publicou em 2001 um "working paper" sobre os pouquíssimos casos de tributos semelhantes à CPMF: "Bank Debit Taxes in Latin America - An Analysis of Recent Trends", de Isaias Coelho, Liam Ebrill e Victoria Summers". Ver no endereço www.imf.org (clicar em "publications" e em seguida "research at the IMF").

Para os autores, no curto prazo esse tributo é muito eficaz em termos de arrecadação, mas a resposta dos mercados indica a provável existência de "impactos alocativos adversos, particularmente uma significante desintermediação financeira". Assim, dizem os técnicos do FMI, "a conclusão geral é que o uso desse tipo de tributo deve ser evitado".

O único documento oficial de defesa da CPMF foi publicado pela Receita Federal: "Mitos e Verdades sob as Óticas Econômica e Administrativa", disponível no endereço www.fazenda.receita.org.br (clicar em "informações" e em seguida "estudos tributários"). Destinado a contestar os críticos, o texto tem muitas falhas conceituais e utiliza apenas uma parte do artigo do FMI, a que aponta as vantagens de curto prazo, deixando de lado a conclusão do texto, que recomenda evitar esse tipo de tributo.

A Receita conquistou o apoio do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, com base certamente na tese de que a CPMF é imbatível como instrumento de arrecadação. Antes, já havia convencido os empresários que vêm na CPMF um meio para enfrentar a concorrência desleal dos sonegadores.

Muitos analistas aderiram imaginando que uma alíquota "baixinha" seria inofensiva ao processo de intermediação financeira.

Qualquer cunha fiscal, por menor que seja, gera ineficiências na intermediação financeira, no mínimo por causa do acréscimo de custos de transação. É que as margens do mercado financeiro caíram dramaticamente com o aumento da eficiência e da concorrência. Por exemplo, os custos de negociação na Bolsa de Valores de Nova York, onde são transacionados ações e ADRs brasileiros, é inferior à alíquota atual de 0,38% da CPMF.

O projeto de reforma tributária prevê que a CPMF terá alíquota máxima de 0,38% e mínima de 0,08%. O porcentual será fixado em lei ordinária, o que implica a hipótese de uso de medida provisória. Quem acredita que a alíquota mínima será aplicável em horizonte razoável de tempo? Eu, que já passei por lá e conheço o ambiente, penso que não. O risco é maior ainda: uma futura emenda constitucional ampliando o limite superior da alíquota.

Dir-se-á que o problema seria o mesmo se a proposta incluísse apenas a prorrogação da CPMF, o que é verdade. Acontece que a prorrogação de tempos em tempos permitiria sopesar os custos e benefícios do tributo.

Poderia surgir a oportunidade para extinguir o monstrengo. Se a CPMF integrar definitivamente o sistema tributário, será muito difícil livrar o País de suas nefastas conseqüências.

A Receita ganhou. Quem perderá se o projeto for aprovado? O Brasil e o potencial de crescimento do PIB.

Back to the index


Diario de Pernambuco, December 10, 2001

Tributação ocorre em outros países

A tributação sobre movimentações financeiras não é exclusividade do Brasil. Segundo Albuquerque, nos últimos vinte anos várias modalidades do imposto vêm sendo empregadas por outros países. Austrália, França, Alemanha, Itália, Japão, Suécia e alguns estados dos Estados Unidos são alguns exemplos. Na América Latina o imposto também não é novidade.

Diferente da idéia que originou a IPMF brasileira, na maioria dos países a intenção dos governos era tributar operações consideradas especulativas. Na América Latina foram criados em momentos de crise econômica, para aumentar a arrecadação de forma emergencial.

Em alguns países, o tiro saiu pela culatra. Além de aumentar a circulação de papel moeda, a cobrança provocou uma saída de dinheiro do país onde havia o tributo. Na Argentina houve transferência de operações para o Uruguai, enquanto no Peru, acabou estimulando a economia informal. Já na Venezuela, aumentou o número de contas no exterior. Na Colômbia, praticamente acabou com o mercado interbancário e onúmero de cheques compensados caiu 47%.

O brasileiro já convive com a taxação de sua conta corrente, poupança e aplicações há oito anos, quando foi criado o Imposto sobre Movimentação Financeira (IPMF). Quando criou a IPMF, o Governo usou como justificativa que o imposto iria incidir sobre a economia informal e criaria obstáculos à evasão fiscal, explica Pedro Albuquerque, autor do estudo os Impactos Econômicos da CPMF , também publicado no site do BC.

O IPMF incidia sobre débitos em conta, com alíquota de 0,25%. Foi derrubado por uma liminar menos de um mês depois. Mas o Governo não desistiu, a IPMF foi cobrada durante todo o ano de 1994. Na versão atual, de Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, começou em 97, com alíquota de 0,20%. Desde março deste ano passou para 0,38%.

Back to the index


O Globo, July 30, 2001

CPMF reduz uso mensal de cheque de 340 milhões para 200 milhões

Vivian Oswald e Isabel Sobral*

BRASÍLIA. A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) diminuiu a utilização de cheques e aumentou o volume de dinheiro em poder da população nos últimos oito anos. Isso porque, com medo de pagar mais impostos, as pessoas passaram a evitar ao máximo os bancos e a andar com mais recursos no bolso. A conclusão é do estudo "Os efeitos da CPMF sobre a intermediação financeira", do Banco Central.

Produzido pelos técnicos do BC Sergio Koyama e Marcio Nakane e divulgado no site da instituição (www.bcb.gov.br), o estudo mostra que, de julho de 1994 a fevereiro de 2001, caiu de 340 milhões para 200 milhões por mês o número de cheques emitidos pela população. No mesmo período, o volume de dinheiro no bolso das pessoas e os recursos depositados em conta corrente passaram de R$ 10 bilhões para R$ 70 bilhões.

Segundo o estudo, correntistas preferem deixar o seu dinheiro na conta e não movimentá-lo, ou seja, não aplicá-lo no curto prazo e nem passar cheques, para não pagar a contribuição que incide sobre cada transação financeira.

- As pessoas sempre vão tentar fugir do imposto. Quanto maior as alíquotas, mais elas tentam evitá-lo - disse o especialista em contas públicas Raul Velloso.

O Relatório sobre a Base Monetária do Banco Central para o mês passado, por sua vez, informa que, em junho deste ano, o volume de recursos em poder do público e os depósitos em conta corrente somavam R$ 67 bilhões - um aumento de 22,6% em um ano. O papel moeda em poder do público e os depósitos à vista registraram aumento de 18,6% e 25,1%, respectivamente. Esses números, dizem analistas, também mostram que o brasileiro está fugindo do imposto.

Segundo o trabalho dos técnicos do BC, a contribuição também reduz os rendimentos dos investidores em aplicações financeiras, porque os bancos repassam aos seus clientes os custos da CPMF. Isso quer dizer que os poupadores pagam o tributo pelos seus investimentos e por aqueles dos bancos.

"A elevação da CPMF piora a situação dos tomadores de empréstimos, dos poupadores e dos bancos pois aumenta o custo do empréstimo para os primeiros, diminui a remuneração para os segundos e reduz o spread para o banco", diz o documento.

Este é o segundo estudo divulgado pelo BC mostrando os efeitos negativos da CPMF sobre as transações financeiras. O primeiro foi publicado em junho e salientava as perdas dos investidores nas aplicações no mercado de capitais, ou seja, em ações de empresas nas bolsas. O presidente do BC, Armínio Fraga, é um dos maiores defensores do fim da CPMF para as aplicações em bolsa. Recentemente, o governo chegou em pensar a isentar os investimentos em ações do tributo, mas acabou voltando atrás.

O governo parece não ter como abrir mão da CPMF, que representa R$ 18 bilhões por ano nos cofres públicos, e encaminhou ao Congresso a proposta de prorrogar a contribuição até 2004.

(*) Do GloboNews.com

Back to the index


O Povo, July 30, 2001

Clientes diminuem o uso de cheques para fugir da CPMF

Estudo de técnicos do Banco Central constata queda no uso de talões de crédito devido à cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). De julho de 1994 a fevereiro deste ano, o número de cheques emitidos por mês passou de 340 milhões para 200 milhões.

A cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) está levando a população a usar menos talões de cheques e optar por operações financeiras fora dos bancos. A conclusão é de um estudo de técnicos do Banco Central (BC), em Brasília, divulgado em sua página na internet (www.bcb.gov.br), no último fim de semana. Em junho, a instituição já havia dado publicidade ao trabalho de Pedro Albuquerque, funcionário do Departamento de Pesquisa Econômica do BC, com afirmações como a de que a contribuição acabaria por alimentar o déficit das contas públicas por elevar o custo de carregamento da dívida interna. O foco usado agora pelos técnicos do BC Sérgio Mikio Koyama e Márcio Nakane está nos efeitos da CPMF sobre o nível de intermediação financeira da economia brasileira.

A CPMF, na visão dos técnicos do BC, tende a gerar um aumento do número de operações financeiras feitas fora do sistema bancário. Numa abordagem inicial, o trabalho divulgado pelo BC afirma que a introdução da CPMF diminuiu o uso do cheque entre os brasileiros. ''Durante este período (julho de 1994 e fevereiro de 2001), o número de cheques emitidos reduziu do patamar (mensal) de 340 milhões de cheques para o patamar de 200 milhões. A alíquota da CPMF, por sua vez, apresenta uma tendência crescente durante o período'', diz o estudo. A queda da inflação e o nível de atividade econômica têm, segundo o texto colocado na página do BC na internet, um contribuição pouco significativa na redução do uso do cheque como meio de pagamento.

O trabalho intitulado ''Os efeitos da CPMF sobre a intermediação financeira'' afirma, ao mesmo tempo, que a cobrança do imposto provocou uma transferência de recursos dos depósitos a prazo para os fundos de investimento financeiro. Isto ocorre devido ''a não cobrança deste imposto sob as operações realizadas pelos fundos de aplicação, e portanto, evitando-se a cobrança em cascata deste tributo por ocasião das reaplicações'', diz o estudo. A comprovação pode ser vista na evolução do porcentual de participação dos depósitos a prazo e dos fundos no conjunto de todos os ativos financeiros da economia (M4) entre julho de 1994 e janeiro deste ano. A participação dos fundos financeiros e dos depósitos a prazo no M4 eram, respectivamente, de 39% e 27%, uma diferença de 12 pontos porcentuais. Ao final do período sob análise, a diferença entre ambos havia aumentado para 46 pontos porcentuais, diz o trabalho.

A elevação da alíquota da CPMF prejudica ainda as três partes envolvidas na intermediação para a alocação de recursos do sistema financeiro para a concessão de empréstimos bancários. ''Uma elevação da CPMF piora a situação dos tomadores de empréstimo, dos poupadores e dos bancos, pois aumenta o custo do empréstimo para os primeiros, diminui a remuneração para os segundos e reduz o spread para o banco'', diz o trabalho.

Back to the index


O Estado de São Paulo, July 30, 2001

Com a CPMF, diminui o uso de talão de cheques
Muitos brasileiros estão optando por operações financeiras fora dos bancos

Gustavo Freire

BRASÍLIA - A cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) está levando a população brasileira a usar menos o talão de cheques e a optar por operações financeiras fora dos bancos. A conclusão é de um novo estudo de técnicos do Banco Central (BC), divulgado em sua página na internet (bcb.gov.br), durante o fim de semana.

Em junho, a instituição dirigida pelo economista Armínio Fraga já havia dado publicidade ao trabalho de Pedro Albuquerque, funcionário do Departamento de Pesquisa Econômica do BC, com afirmações como a de que a contribuição acabaria por alimentar o déficit das contas públicas por elevar o custo de carregamento da dívida interna. O foco usado pelos técnicos do BC Sérgio Mikio Koyama e Márcio Nakane agora está mais centrado nos efeitos da CPMF sobre o nível de intermediação financeira da economia brasileira.

A CPMF, na visão dos técnicos do BC, tende a gerar um aumento do número de operações financeiras feitas fora do sistema bancário "com efeitos deletérios sobre a economia". Numa abordagem inicial, o trabalho divulgado pelo BC e que contou com sugestões dos diretores de Política Econômica, Ilan Goldfajn, e de Assuntos Internacionais, Daniel Gleizer, afirma que a introdução da CPMF diminuiu o uso do cheque entre os brasileiros. Segundo o estudo, durante este período (julho de 1994 e fevereiro de 2001), o número de cheques emitidos reduziu do patamar (mensal) de 340 milhões de cheques para o patamar de 200 milhões. A alíquota da CPMF, por sua vez, apresenta uma tendência crescente durante o período. A queda da inflação e o nível de atividade econômica têm, segundo o texto colocado na página do BC na internet, uma contribuição pouco significativa na redução do uso do cheque como meio de pagamento.

O volume de papel moeda em poder do público e depósitos à vista (M1) tende a aumentar com a cobrança da CPMF, dando ao governo um ganho de receita extra.

"A CPMF teve um efeito positivo porém de fraca intensidade sobre a demanda por M1 da economia. Do ponto de vista fiscal, portanto, o ganho extra de senhoriagem é desprezível. Além disso, para o cômputo global dos impactos fiscais da CPMF, não estamos considerando a perda de arrecadação decorrente do aumento do custo da dívida pública", relata o estudo do BC. A queda das taxas de inflação, na avaliação dos técnicos do BC, é a maior responsável pela elevação do saldo do M1 dos R$ 10 bilhões de julho de 1994 para os R$ 70 bilhões de janeiro deste ano.

O trabalho intitulado Os efeitos da CPMF sobre a intermediação financeira, afirma, ao mesmo tempo, que a cobrança do imposto provocou uma transferência de recursos dos depósitos a prazo para os fundos de investimento financeiro.

Isto ocorre, segundo o trabalho divulgado pelo BC, devido "a não cobrança deste imposto sob as operações realizadas pelos fundos de aplicação, e portanto, evitando-se a cobrança em cascata deste tributo por ocasião das reaplicações". A comprovação pode ser vista na evolução do porcentual de participação dos depósitos a prazo e dos fundos no conjunto de todos os ativos financeiros da economia (M4) entre julho de 1994 e janeiro deste ano.

De acordo com o estudo, a participação dos fundos financeiros e dos depósitos a prazo no M4 eram, respectivamente, de 39% e 27%, uma diferença de 12 pontos porcentuais. Ao final do período sob análise, a diferença entre ambos havia aumentado para 46 pontos porcentuais.

A elevação da alíquota da CPMF prejudica ainda as três partes envolvidas na intermediação para a alocação de recursos do sistema financeiro para a concessão de empréstimos bancários. "Uma elevação da CPMF piora a situação dos tomadores de empréstimo, dos poupadores e dos bancos pois aumenta o custo do empréstimo para os primeiros, diminui a remuneração para os segundos e reduz o spread para o banco", afirma o trabalho divulgado pelo BC. O aumento da alíquota do imposto, segundo o estudo, também tende a reduzir o tamanho de sua base de arrecadação por incentivar a criação de novos mecanismos de evasão. "A alíquota da CPMF que torna máxima a sua arrecadação é calculada como sendo 0,7045%", diz o estudo. (AE)

Back to the index


Jornal do Commercio, July 17, 2001

A INSÓLITA CPMF

Antonio Oliveira Santos
Presidente da Confederação Nacional do Comércio

O pacote de medidas fiscais que o Governo encaminhou, recentemente, ao Congresso Nacional, nada tem a ver com a fracassada reforma tributária que, durante seis anos, desde 1995, ocupou a atenção nacional, em um verdadeiro jogo de enganações. A Comissão Especial da Câmara dos Deputados bem que se esforçou para encontrar os caminhos de uma conciliação de interesses, mas faltava objetividade ao projeto, seja para reduzir a carga tributária, seja para simplificar o sistema ou dotá-lo de uma isonomia capaz de compensar as distorções criadas pelas contribuições em cascata.

As medidas sugeridas, nesta oportunidade, são medidas tópicas, compreendendo: (1) a prorrogação até dezembro de 2004, da vigência da CPMF – Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e Créditos de Natureza Financeira, com alíquota de 0,38%; (2) a repetição das disposições da Lei nº 9363/1996, com o objetivo de compensar a incidência da COFINS e do PIS/PASEP que onera as exportações nacionais, através de um crédito presumido do IPI – Imposto sobre Produtos, correspondente a 5,37% sobre insumos adquiridos no mercado interno; (3) a criação de uma nova contribuição de intervenção no domínio econômico, destinada a substituir a denominada Parcela de Preço Específico – PPE, que hoje compõe a estrutura de preços dos derivados de petróleo; e (4) uma mudança na disciplina de fixação das alíquotas do ICMS e do ISS, com vistas a pôr um fim na guerra fiscal entre os Estados e entre os Municípios.

Não vamos enfocar aqui senão a questão da CPMF, eis que as demais medidas citadas, em verdade, tratam de dispositivos já existentes e que, agora, recebem uma nova roupagem, ou retornam à proposta de uniformização do ICMS e do ISS, matéria controvertida e já refutada nos termos da sugestão oferecida pelo Ministério da Fazenda, em 1997.

A prorrogação da CPMF foi justificada na necessidade da manutenção do nível da receita da União (a da CPMF em 2000 foi de R$14,545 bilhões), como condição indispensável ao êxito do ajuste fiscal, verdadeira "âncora" para a estabilidade do real. A CPMF apresentaria várias vantagens: (1ª) apuração do valor da contribuição sem qualquer burocracia, isto é, sem prévia declaração ou notificação; (2ª) arrecadação pela rede bancária no momento de cada movimentação financeira; (3ª) fácil fiscalização (limitada às instituições financeiras); (4ª) difícil sonegação; (5ª) fonte de valiosos elementos para a fiscalização do imposto de renda (nome dos contribuintes e valor das contribuições debitadas a cada um deles); (6ª) incidência sobre a economia informal (que não recolhe imposto de renda); (7ª) incidência sobre as transações eletrônicas.

Entretanto, pesa contra a CPMF um expressivo rol de restrições: (1ª) incidência regressiva (alíquotas iguais para ricos e pobres); (2ª) incidência cumulativa (em cascata), altamente nociva aos produtos nacionais, desfavorecendo-os na competição com os produtos importados; (3ª) dupla tributação (bi-tributação), em face da incidência concomitante com o IPI, o ICMS, o ISS ou o IOF, conforme a operação praticada; (4ª) desestímulo à intermediação financeira, em favor do uso da moeda e da circulação de cheques e vales como meios de pagamentos; (5ª) desestímulo ao mercado de capitais, induzindo a transferência de operações para bolsas sediadas no exterior.; (6ª) incidência sobre os salários em geral, reduzindo o poder aquisitivo da população.

As restrições à CPMF estão corroboradas, com argumentos sólidos e irrefutáveis, em recente estudo de fonte governamental de alto nível técnico. Trata-se de trabalho realizado no Departamento de Estudos e Pesquisas do Banco Central, pelo economista Pedro H. Albuquerque, segundo o qual "a teoria econômica, a experiência internacional e a evidência brasileira revelam que a referida contribuição apresenta significativas deficiências como instrumento de arrecadação".

"A introdução da CPMF - diz o estudo - traz vários prejuízos à economia, pois causa a redução do estoque de capital, da produção e dos salários. A CPMF tributa o investimento e, portanto, desincentiva a acumulação de capital. A CPMF penaliza a especialização. Os contribuintes nacionais são prejudicados, pois pagam a CPMF sobre outros impostos e são menos capazes de desintermediar suas transações bancárias do que aqueles que atuam na informalidade. As taxas de juros e dividendos são majorados. Os tomadores de empréstimos são os mais prejudicados por essa contribuição, que restringe o potencial de expansão do sistema financeiro no Brasil.

O governo é prejudicado pela CPMF sob a ótica da despesa, pois os gastos do Tesouro Nacional sobem com os juros. A CPMF cria custos desnecessários de iliquidez e desintermediação. Trata-se, portanto - conclui o estudo - de uma contribuição prejudicial à atividade econômica e também socialmente injusta, devido à ausência de uniformidade e seletividade em sua incidência".

A CPMF, além de importar em bi-tributação, funciona, por ocasião do pagamento de qualquer imposto, taxa ou contribuição, como um verdadeiro adicional de 0,38%. Afora isso, prejudica os esforços do próprio governo para reduzir a taxa de juros e o chamado "custo Brasil", assim dificultando os investimentos externos e a expansão das exportações, indispensáveis ao melhor desempenho do balanço de pagamentos e à criação de condições sustentáveis para a retomada do desenvolvimento.

Nessas condições, revela-se inconveniente e inoportuna a prorrogação da CPMF. Todavia, considerando as alegadas dificuldades orçamentárias da União e a imperiosa necessidade de prosseguir com o ajuste fiscal, poderia ser aceitável uma proposta que estabelecesse uma gradual redução de sua alíquota (0,30% em 2002, 0,20% em 2003 e zero em 2004, por exemplo), fosse permitida sua compensação com o imposto de renda a pagar e houvesse um limite de isenção para os pequenos contribuintes. Para compensar a perda da receita da CPMF, o Governo poderia propor, no lado da receita, uma redução proporcional da participação dos Estados e Municípios na arrecadação do IPI e do imposto de renda (fixados pela Constituição de 1988 em percentuais exagerados: 57% e 47%, respectivamente), assim como a concessão de incentivos à arrecadação da dívida ativa da União (R$120 bilhões) e da previdência social (R$ 60 bilhões) e, do lado da despesa, uma diminuição progressiva do tamanho do Estado, fixação do teto para os subsídios e vencimentos dos cargos públicos, nos três Poderes, e redução das despesas com o ensino superior oficial, extinguindo a iníqua gratuidade para alunos de alto e médio poder aquisitivo, hoje o maior mecanismo legal de concentração de renda no Brasil. Enfim, o Governo ainda dispõe de tempo para reduzir a despesa pública, aumentar a arrecadação e extinguir a CPMF ou, pelo menos, reduzir os efeitos perversos dessa contribuição.

Back to the index


Revista da Adeval, Edição nº131/133, June 2001

EDITORIAL

CPMF que não afeta as Bolsas

O governo brasileiro informou que está estudando uma maneira de evitar que o substituto da CPMF - Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, o IMF - Imposto sobre Movimentação Financeira, prejudique o Mercado de Capitais. O assunto deve ser discutido à luz da experiência argentina e de trabalhos recentes desenvolvidos no âmbito dos organismos do País. Ao reeditar a Lei de Competitividade (em Maio, Decreto 613/2001), o Poder Executivo argentino reportou-se às isenções do artigo 9º da norma referida, por exemplo, das "contas utilizadas de forma exclusiva para as operações inerentes à sua atividade específica e as movimentações e transferências dos ordenantes com igual finalidade, pelos mercados autorizados pela Comissão Nacional de Valores e seus respectivos agentes, as Bolsas de Comércio que não tenham mercados organizados de valores e ou de cereais, assim como as Caixas de Valores e entidades de liquidação e compensação de operações, autorizadas pela citada Comissão Nacional". Decreto anterior (número 380), já definia que "as contas utilizadas de forma exclusiva no desenvolvimento específico de suas atividades pelos mercados de valores e de cereais das respectivas Bolsas e pelas Bolsas de Comércio que não tenham mercados organizados de valores e ou cereais, assim como pelas Caixas de Valores e entidades de liquidação e compensação de operações pela Comissão Nacional de Valores", estarão isentas do Imposto sobre Créditos e Débitos em Conta Corrente Bancária. O legislador argentino pretendeu evitar que um volume ainda maior de negócios com Ações realizados na Bolsa de Buenos Aires se transferisse para New York, fenômeno que foi agudo na década passada. No Brasil, onde não foram adotadas as cautelas visíveis na Argentina, um estudo recente do Banco Central ajuda a entender os dilemas enfrentados.

Estudo do Banco Central sobre impactos da CPMF

Num trabalho para discussão, elaborado no Departamento de Estudos e Pesquisas do Banco Central por Pedro H. Albuquerque, foram estudados os impactos econômicos da CPMF na economia brasileira, sob as óticas da teoria econômica e da experiência internacional. O que se evidenciou é que a CPMF apresenta significativas deficiências como instrumento de arrecadação. A CPMF foi criada, no País, com vistas a ser um instrumento eficiente para incidir sobre a economia informal e para dificultar a evasão fiscal. Mas houve incompreensão, nota o texto, sobre a importância da intermediação financeira para o desenvolvimento econômico e para o bom funcionamento da economia. Tributos semelhantes à CPMF foram imaginados por Tobin e mesmo por Keynes, este em 1936, quando predominavam os temores quanto ao impacto das práticas especulativas na economia. O objetivo de Tobin, em 1995, era reduzir a volatilidade dos mercados cambiais, criando um ITF para evitá-la. Algumas conclusões relevantes são agora apresentadas: 1º) A CPMF está contribuindo, no Brasil, para o aumento do déficit público, pois o governo tem de pagar juros mais elevados do que aqueles que poderiam ser pagos sem a CPMF. 2º) A CPMF estimula a verticalização desnecessária das empresas e pune a diversificação e a divisão do trabalho. A longo prazo, poderá concorrer para reduzir a competição entre as firmas. 3º) A CPMF desincentiva a modernização, pois as firmas tecnologicamente mais avançadas são as que mais utilizam bens intermediários. 4º) A CPMF traz a possibilidade de surgimento de uma Curva de Laffer, onde a arrecadação pode cair com o aumento da alíquota dada a destruição acelerada da base de incidência. Os prejuízos à economia são vários, tais como a redução do estoque de capital, da produção e dos salários. A CPMF penaliza a especialização. Do ponto de vista dos mercados, a CPMF cria custos desnecessários de iliquidez e de desintermediação. Não só o Brasil adotou a CPMF ou tributos parecidos. Algum tipo de IPF, muito mais restrito, já existiu em países desenvolvidos. A Suécia criou um tributo semelhante para o Mercado Acionário, em 1984, quando predominava um ambiente hostil aos mercados de títulos, e o aboliu em 1990. Os volumes negociados diminuíram muito e os juros aumentaram, aumentando o custo de financiamento da dívida pública. Cerca de 30% das operações passaram a ser feitas no Exterior. Na Inglaterra, foi criada um ITF chamado "stamp duty", uma taxa de registro de compras no Mercado Acionário, cujo custo vem declinando desde sua criação, em 1974. Hoje, o governo estuda sua supressão, pois se estima que ela provocado uma diminuição de 50% nas transações nos mercados britânicos. Na América Latina, tributos semelhantes existiram na Argentina, entre 1989 e 1992, no Peru, entre 1990 e 1991, na Venezuela, em 1994 e 1999, na Colômbia, em 1999, e no Equador, em 1999, além do Brasil. Como regra, houve fuga de capitais, aumento das operações com papel-moeda e impacto sobre as transações bancárias. Não obstante, o tributo trouxe forte arrecadação, em especial no Brasil e na Colômbia

Efeitos no Brasil

Há evidências de que a CPMF afeta diretamente o custo de capital das firmas e de todos os tomadores de crédito, a partir de dados levantados pela Secretaria de Política Econômica. Segundo avaliações do Departamento de Estudos e Pesquisas do Banco Central, a CPMF paga pelo aplicador é incorporada às taxas de empréstimo e de captação, elevando o custo do crédito sem alterar significativamente o spread bancário. A situação só não é pior porque o crédito é pouco desenvolvido no Brasil. São mais atingidos os agentes da economia formal do que da economia informal, que se utilizam menos do sistema bancário. Impostos como o IPVA e o IPTU também alcançariam a economia informal. É visto como superficial o argumento de que a CPMF auxilia a ação fiscalizadora, pois não deveria ser preciso criar um imposto pouco seletivo e nocivo à atividade econômica para que o órgão fiscalizador pudesse obter informações fiscais. Entre as conclusões, Albuquerque cita as declarações do primeiro-ministro John Howard, da Austrália, sobre a proposta de criação de um tributo único para substituir os demais: "Ele tornaria completamente comatoso um sistema financeiro funcional num curto período de tempo. Neste mundo globalizado em que vivemos, isto seria equivalente a dizer que estamos abandonando tudo e voltando para a selva. Eu penso, com grande respeito aos seus proponentes...que isto é uma maluquice". É sobre estas coisas que deveriam refletir não apenas os atuais governantes, mas aqueles partidos que aspiram chegar ao Poder, antes de insistir na defesa da CPMF, apenas porque ela parece ser um bom instrumento para arrecadar tributos no presente, ignorando-se seus efeitos futuros sobre a competitividade do País.

Back to the index


no.com.br, June 30, 2001

A arte do possível

O ministro da Fazenda Pedro Malan e o secretário da Receita Federal Everardo Maciel anunciaram ontem, sexta-feira, um “minipacote” tributário. As principais medidas do pacote são uma proposta de emenda constitucional prorrogando a CPMF (lembrem-se, supostamente provisória) até dezembro de 2004 e uma outra emenda para unficar as legislações sobre ICMS e ISS. Além disso, o governo propôs mudanças na forma de cobrança e ressarcimento do PIS e Cofins, e a modernização da legislação sobre entrepostos aduaneiros (Estado de S. Paulo, Globo, Jornal do Brasil, Folha de São Paulo).

O pacote, e a reação que não tardou por se manifestar, são instrutivas. Parece haver consenso no Brasil com relação à ineficiência do atual sistema tributário e com relação à necessidade de desonerar a produção, mas qualquer proposta de mudança acaba enfrentando forte resistência. Segundo líderes ouvidos pelo Estado de S. Paulo e pela Folha de São Paulo, a proposta de emenda para unificar e simplificar as legislações estaduais do ICMS e estabelecer uma alíquota mínima para o ISS será mal recebida no Congresso. O presidente da Comissão Especial de Reforma Tributária da Câmara, Germano Rigotto (PMDB-RS) disse que a idéia até que seria palatável dentro de uma reforma mais ampla, com medidas compensatórias, mas que sozinha não vai. Alguns deputados se dizem contra a medida por que ela agride a autonomia dos estados, outros por medo de que suas bases percam arrecadação. Entre as reclamações de sempre (Estado de S. Paulo), poucos parecem ter notado que o ministério da Fazenda já havia programado a apresentação do projeto de emenda mêses atrás, como revela a carta de intenções assinada com o FMI, ainda em março.

E no entanto, o principal obstáculo a uma reforma tributária mais ousada não é analítico. A arrecadação de impostos deve ser suficiente, grosso modo, para cobrir as despesas do estado. De onde virá a receita tributária? Da propriedade, do consumo, ou da renda. Cada alternativa tem suas vantagens ou desvantagens; o imposto ideal deveria ser fácil e barato de arrecadar, e não causar distorções na atividade econômica. A dificuldade vem das escolhas políticas embutidas no sistema tributário. O economista Marcos Mendes, do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, pôs o dedo na ferida em um Braudel Paper publicado no ano passado. Todo sistema federativo incorpora escolhas, mas o que torna o sistema brasileiro particularmente refratário às mudanças são características do nosso sistema político-eleitoral: os estados e municípios mais pobres têm forte representação no Congresso, e portanto poder de veto sobre qualquer mudança na legislação; E a Constituição de 1988, fortemente descentralizadora, transferiu parte significativa da arrecadação federal para estados e municípios. Se isso não bastasse, há ainda as gritantes diferenças de níveis de renda entre os estados mais ricos e os mais pobres da federação, que acaba por justificar as transferências, mesmo se essas não parecem fazer muito para acabar com a pobreza. Essas características vêm tornando extraordinariamente difícil a tarefa de realizar o ajuste fiscal, como admite o economista Fernando Rezende, do ministério do Desenvolvimento, nessa apresentação PowerPoint no site do Banco Federativo, mantido pelo BNDES.

Ou seja, mudanças no sistema tributário não podem ser impostas de cima para baixo, precisam ser negociadas com os estados; e os estados mais pobres, que se beneficiam desse sistema de transferiências, têm mais poder político do que sua participação no PIB ou na população do país justificaria. Se isso não bastasse, o governo federal parece abordar o tema com um certo conservadorismo, derivado talvez do imperativo de gerar superávits primários. Prova disso é a prorrogação proposta para a CPMF, que aos poucos vai se tornando um imposto permanente, apesar de seus inúmeros defeitos--defeitos enumerados, mais uma vez, em um “trabalho para discussão” publicado pelo departamento de estudos e pesquisas do Banco Central do Brasil. Nesse trabalho o economista Pedro H. Albuquerque repassa os efeitos nocivos sobre a economia daquele imposto, desmontando inclusive a falácia de que a CPMF teria a vantagem de incidir sobre o setor informal da economia.

Alguns dos efeitos negativos da CPMF não são visíveis a olho nu--como o custo adicional da dívida pública, que pode até superar a arrecadação adicional, segundo Albuquerque. Outros, como a desintermediação financeira, demoram a aparecer, mas aparecem. Infelizmente para o Brasil, nada disso parece importar diante da lógica falaciosa da secretaria da Receita Federal, que só computa um lado da equação e pelo jeito conseguiu vetar até a isenção da CPMF para operações financeiras, isenção que já havia sido até anunciada pelo presidente do BC, Armínio Fraga (Jornal do Brasil). As contas fiscais do país parecem equilibradas. A que preço?

Back to the index


O Estado de São Paulo, June 27, 2001

EDITORIAIS

Mais argumentos contra a CPMF

Os argumentos mais fortes contra a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que o Executivo pretende prorrogar ou substituir por um imposto permanente, vêm sendo fornecidos por economistas ligados ao governo federal. Dois interessantes trabalhos sobre o assunto - um produzido no BNDES, outro no Banco Central - foram divulgados neste mês.

Merecem especial atenção, no momento em que se conclui um importante pacote tributário. O primeiro estudo mostra como as contribuições cumulativas prejudicam a produção e reduzem a capacidade brasileira de competir, confirmando com números o que o senso comum já havia percebido. O segundo trabalho examina os efeitos de um só desses tributos, a CPMF, na formação dos juros, nas aplicações de capital, na produção de bens e serviços e na arrecadação de impostos. O estrago econômico, segundo esse estudo, é ainda maior do que parece quando se levam em conta apenas a produção e a circulação de mercadorias. Mais que isso: nenhum dos argumentos a favor dessa contribuição, usados pelo governo e aceitos pelo menos em parte por economistas do PT, fica em pé depois de uma boa análise crítica. De quebra, o trabalho ainda questiona a eficácia de tributos concebidos, como a chamada Taxa Tobin, para tornar os mercados financeiros menos voláteis.

O estudo produzido por economistas do BNDES já foi comentado nesta página. O outro, assinado por Pedro Henrique Albuquerque, do Departamento de Estudos e Pesquisa do Banco Central, reforça as conclusões do primeiro e mostra que os ganhos do Tesouro, com a CPMF, podem ser bem menores do que afirmam os defensores desse tributo. Os dois trabalhos foram divulgados para discussão e com a advertência costumeira: não representam a opinião das instituições em que trabalham seus autores.

A CPMF, segundo seus defensores, é um imposto com ampla incidência, de cobrança fácil e econômica, difícil de sonegar e capaz de incidir sobre as atividades informais. Serve, portanto, não apenas para abastecer o Tesouro, mas também para tornar mais eficiente a fiscalização.

Toda essa argumentação é contestável, segundo o estudo, que enumera uma longa relação de defeitos do chamado imposto do cheque:

1. prejudica a formação de capital, a produção e os salários, encarecendo o investimento produtivo e as atividades econômicas; 2. seu peso é tanto maior quanto maior a utilização de bens intermediários pelas empresas. A CPMF estimula a verticalização e pune a diversificação e a divisão do trabalho, porque induz as empresas a evitar, sempre que possível, a compra de bens e serviços de terceiros; 3. dificulta a modernização, já que as empresas tecnologicamente mais avançadas são, em geral, as que mais utilizam bens intermediários; 4. eleva os juros reais. Isso prejudica não só o tomador privado - empresa ou pessoa física -, mas também o governo. Uma parte do que o Tesouro ganha com a arrecadação da CPMF é perdida com a elevação de suas despesas financeiras; 5. estimula a desintermediação financeira. Isso mostra a fraqueza de um dos principais argumentos de seus defensores. A CPMF só atingirá os informais se estes quiserem continuar utilizando os serviços bancários; 6. torna o sistema tributário mais injusto, não só por seu caráter regressivo (atinge pobres e ricos sem distinção), mas também porque incide mais sobre os contribuintes regulares do que sobre os outros. Os regulares são os que mais utilizam serviços bancários. Os outros podem recorrer aos bancos para certas transações e não para outras; 7. ao estimular a desintermediação, corrói a própria base de incidência; 8. incentiva a transferência de operações do mercado de capitais para outros mercados, fato bem conhecido no Brasil. Este efeito distorcido, segundo se anuncia, será evitado na próxima fase de vigência da CPMF.

Talvez não se possa extinguir esse tributo de um ano para outro, sem pensar numa substituição de receita. Mas é preciso eliminá-lo no menor prazo possível.

Back to the index


O Estado de São Paulo, June 27, 2001

O aprendizado pelo choque

Demorou, mas parece que o mundo material está sendo reconhecido em Brasília

Rolf Kuntz

Três mil anos antes de Cristo os egípcios tinham uma grande civilização. Este pormenor foi lembrado pelo economista Samir Amin, numa entrevista recente, depois de afirmar que a construção de um mundo mais justo, certamente em moldes socialistas, poderá consumir um bom tempo - algumas décadas, ou, talvez, alguns séculos. Um pouco de perspectiva histórica pode tornar as pessoas mais pacientes e mais otimistas. Afinal, o governo instalado em Brasília demorou menos que uma década para admitir, talvez com alguma relutância, que tributos em cascata são ruins para a economia e que a CPMF atrapalha o mercado de capitais. Em poucos dias, no Brasil, acumularam-se novidades notáveis, que mostram como as pessoas podem ser flexíveis. Líderes do PT já reconhecem que não devem assustar os credores, que a baixa da inflação foi uma conquista importante e que a estabilidade fiscal não é uma idéia tão desprezível, defendida apenas pelos lacaios do sistema financeiro internacional. E tudo isso ocorreu em menos de um quarto de século, o que é extraordinário, em se tratando de um partido brasileiro de esquerda.

O País teria sido amplamente beneficiado, se essas e outras mudanças semelhantes tivessem ocorrido há mais tempo. O pacotinho tributário em preparação em Brasília deve conter, segundo foi anunciado nos últimos dias, medidas para redução de impostos sobre a exportação. Se ocorrer, virá com muitos anos de atraso, porque o atual governo jamais se ocupou seriamente com assuntos desse tipo. Se o tivesse feito, já teria há mais tempo, também, cuidado de eliminar a CPMF e de encontrar meios melhores de abastecer o Tesouro nacional. Não estaria sendo forçado, agora, em situação quase de emergência, a cuidar da prorrogação desse imposto para impedir, no próximo ano, uma redução abrupta da receita.

Mas será apenas uma prorrogação? Se o governo quiser transformar esse trambolho fiscal num imposto permanente, poderá ter o apoio do PT. No programa econômico do partido, já se admite que a CPMF pode não ser tão ruim, se for cobrada com uma alíquota baixinha. Servirá - este é também um argumento do governo - para o combate à sonegação. Esse argumento, que já era ruim, ficou ainda mais fraco, depois do estudo, divulgado na semana passada, de um economista do Banco Central, Pedro H. Albuquerque: tributos como a CPMF tendem a destruir a própria base de incidência. Podem produzir, portanto, efeito exatamente oposto ao apontado por seus defensores, que o descrevem como poderoso instrumento de combate à sonegação, à informalidade e à lavagem de dinheiro. Seria bom os economistas do PT darem uma espiada nesse trabalho - se já não o fizeram -, antes de se comprometerem com a defesa desse imposto ruim.

Apesar de insuficiente, o pacotinho tributário pode ser um avanço, principalmente se for parte de uma transformação ainda mais importante. A um ano e meio do final de mandato, o governo pode estar descobrindo que a economia não é apenas um conjunto de índices. O tal do Produto Interno Bruto é o resultado da atividade material de pessoas e de empresas que abastecem o País com bens e serviços reais. Essas pessoas e empresas dependem, para seu trabalho, não só de estabilidade fiscal e monetária, mas de insumos também reais, como a tal de eletricidade, que anda meio escassa por descuido de Brasília. Dependem também de impostos menos destrutivos e de juros mais toleráveis.

Nada garante, por enquanto, que a descoberta desse mundo, pela equipe de governo, tenha sido para valer e que não seja esquecida nas próximas duas semanas. Mas é provável que o efeito dos últimos choques seja duradouro. A crise de energia não se resolverá tão rapidamente. A pressão cambial também não sumirá de uma hora para outra, forçando o governo a se preocupar não só com a meta de inflação, mas também com as condições do balanço de pagamentos - e, quem sabe, com o ritmo de exportações e importações.

Se o governo se houvesse preocupado há mais tempo com essas coisas prosaicas, teria cuidado, também há mais tempo, de remover alguns dos mais importantes entraves ao crescimento. Uma política ativa de modernização industrial, de produção e de comércio (que incluiria, naturalmente, a reforma tributária) teria permitido, quase com certeza, um ajuste mais seguro e mais suave das contas públicas. A trajetória da relação dívida/PIB, segundo trabalho recente de um pesquisador do Ipea, é mais sensível ao crescimento econômico do que à variação das taxas de juros. Esse estudo, Tendência de Longo Prazo das Finanças Públicas no Brasil, explora as possibilidades de estabilização e redução do endividamento, considerado como porcentagem do PIB, no período de 2000 a 2015. Sem nenhuma hipótese heróica, esse trabalho sugere que a situação fiscal poderá melhorar substancialmente, nesse período, mesmo com uma redução considerável da alíquota da CPMF, se for possível manter um crescimento econômico médio de 4% ao ano. A realidade, é claro, é mais complexa que qualquer modelo e muito mais cheia de riscos, mas estudos como esse dão o que pensar. Não é engraçado pensar que a história dos últimos anos, afinal, teria sido mais simples e menos penosa, e com resultados fiscais muito melhores, se o governo tivesse olhado um pouco mais para outro lado?

Rolf Kuntz é jornalista

Back to the index


O Globo, June 24, 2001

Governo pretende prorrogar a CPMF até 2003

Ênio Vieira e Isabel Sobral

BRASÍLIA. O presidente Fernando Henrique Cardoso reuniu ontem ministros e assessores da equipe econômica para acertar os últimos detalhes do conjunto de medidas do mini-pacote tributário que será anunciado esta semana e encaminhado ao Congresso. A principal proposta é a prorrogação até 2003 da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) - que acabaria em junho do ano que vem - e isentando as operações no mercado de capitais (bolsas de valores).

O governo ainda pretende incentivar as exportações, propondo a isenção de impostos como PIS e Cofins em algumas etapas da cadeia produtiva, e unificar as alíquotas e legislações estaduais do ICMS, acabando com a guerra fiscal entre os estados.

A reunião, no Palácio da Alvorada, durou quase três horas, e, à saída, nenhum dos participantes fez qualquer comentário. Estiveram presentes os ministros da Fazenda, Pedro Malan; da Casa Civil, Pedro Parente; do Planejamento, Martus Tavares; o secretário-executivo da Fazenda, Amaury Bier; e o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel.

O governo espera que as propostas de mudanças tributárias complementem as ações do Banco Central anunciadas semana passada, para reduzir a pressão sobre a taxa de câmbio, e ajudem a acalmar a turbulência no mercado financeiro. A idéia é passar a certeza aos investidores nacionais e internacionais de que o governo não desistiu de fazer as reformas necessárias à consolidação do ajuste fiscal .

A possibilidade de o governo propor a transformação da CPMF em um tributo permanente, mas com uma alíquota menor que a atual de 0,38%, estaria sendo cogitada, segundo alguns assessores. Confirmada, no entanto, só a posição já antiga do Banco Central de que o mercado de capitais tem que ficar livre do tributo.

Um estudo divulgado na semana passada pelo BC ("Impactos econômicos da CPMF: teoria e evidência") indica as distorções causadas pela cobrança da contribuição. Assinado por Pedro Albuquerque, do Departamento de Pesquisa do banco, o estudo mostra o quanto a CPMF encarece as operações de crédito e acaba sendo uma faca de dois gumes, pois o governo paga o tributo quando opera com títulos públicos, tendo despesas.

O ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, também esteve ontem com o presidente, chegando no fim da reunião com a equipe econômica. Ele discutiu com Fernando Henrique mudanças na área de telecomunicações.

O presidente, antes da reunião com a equipe econômica, gravou pela manhã um pronunciamento para rádio e televisão sobre o Programa Bolsa-Escola. O governo distribuirá um cartão magnético para cadastrar as famílias beneficiadas. O pronunciamento vai ao ar, em cadeia de rádio e TV, amanhã, às 20h.

Back to the index 


Jornal da Tarde, June 22, 2001

Estudo do BC liga imposto a juro alto

A alíquota máxima da CPMF, no caso de um eventual aumento, não poderia ultrapassar 0,60% no Brasil, sob pena de o custo para a dívida superar o ganho fiscal, segundo estudo teórico divulgado pelo BC em sua página na internet.

Um porcentual maior, segundo o trabalho elaborado por economista do banco, geraria um aumento dos gastos com juros da dívida mobiliária superior aos ganhos de receita. O porcentual máximo, porém, seria ainda menor se houvesse um crescimento dos mecanismos de evasão do tributo.

"É bom observar que este é um cálculo otimista", diz o documento, cuja divulgação foi autorizada pelo diretor de Política Econômica do BC, Ilan Goldfajn, mas não expressa a opinião do banco. Funcionário do Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas (Depep) do BC, o economista Pedro Albuquerque estima que uma CPMF de 0,60% teria um custo de R$ 5,698 bi (0,53% do PIB) no carregamento da dívida mobiliária federal. "O custo atual do tributo (contribuição), com uma alíquota de 0,38%, é de 0,37% do PIB (R$ 3,978 bi)", disse Albuquerque. Ele afirma que os números comprovam sua tese de que a CPMF alimenta o déficit das contas públicas.

O peso da CPMF sobre os juros reais da dívida mobiliária, segundo o documento divulgado pelo BC, é de 0,93% com a alíquota atual de 0,38%, e chegaria a 1,34% com uma de 0,60%. Os cálculos, segundo o economista do BC, foram realizados levando em conta uma dívida de 40,2% do PIB.

Back to the index


O Estado de São Paulo, June 22, 2001

Manutenção de juro alto está associada à CPMF, diz estudo
Documento elaborado por técnico do Banco Central mostra ineficácia desse tributo

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) aparentemente é responsável, com outros fatores, pelo alto custo do crédito e estaria contribuindo para dificultar a queda das taxas de juros, desincentivando a expansão do mercado de crédito e possivelmente provocando a transferência de recursos financeiros do Brasil para outros países. A conclusão consta de um estudo elaborado pelo economista Pedro H. Albuquerque, do Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas (Depep) do Banco Central (BC). A divulgação do documento foi autorizada pelo diretor de Política Econômica do BC, Ilan Goldfajn, mas não expressa a opinião da instituição.

No estudo intitulado "Os impactos econômicos da CPMF: teoria e evidência" Albuquerque, mestrando em Economia na Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, afirma que a CPMF apresenta significativas deficiências como instrumento de arrecadação.

"Além de potencialmente nociva à atividade econômica, ela tributaria desproporcionalmente o contribuinte zeloso e o investimento, enquanto majoraria juros e dividendos, prejudicando o tomador de crédito e o arrendatário de capital. Adicionalmente, parte da arrecadação gerada pela CPMF seria fictícia, pois os gastos dos governos também subiriam devido à elevação das taxas de juros reais", acrescenta.

O autor assinala que em geral, em defesa dessa contribuição usa-se o argumento de que ela seria capaz de tributar o setor informal, e isso seria uma vantagem em relação a outros impostos. Mas ele observa que a CPMF "incide desproporcionalmente sobre o contribuinte diligente, por incidir também sobre os pagamentos dos demais impostos. Como os agentes que operam na informalidade não pagam impostos, incorrem num número menor de fatos geradores para a CPMF. Adicionalmente os agentes na economia informal podem evadir o pagamento dessa contribuição mais facilmente, ao deixarem de usar o sistema bancário. Para agentes que estão na formalidade, a necessidade do uso do sistema bancário é maior. É bom lembrar que, ao contrário do que tem sido constantemente afirmado pelos defensores da CPMF, os impostos clássicos também atingem a economia informal, seja indiretamente, seja por meio do pagamentos de impostos de difícil sonegação (IPVA e IPTU, por exemplo).

Seria mais difícil, portanto, evadir legalmente um imposto clássico do que evadir a CPMF, dado que ela incide sobre o uso voluntário de um serviço facilmente substituível."

Produtividade - Alguns economistas mencionados no trabalho de Albuquerque lembram que impostos sobre transações financeiras (os chamados ITFs) semelhantes à CPMF necessariamente reduzem a eficiência dos mercados financeiros, por meio do aumento do custo das transações. Este aumento de custos poderia ter uma ação redutora da volatilidade nesses mercados, mas causaria o aumento das taxas de retorno dos ativos, o que seria nocivo à economia e desincentivaria a acumulação de capital.

Esses autores destacam que se forem consideradas as elasticidades dos volumes de transações e dos preços às alíquotas desses impostos, os ITFs "destróem sua própria base de incidência, fazendo com que a produtividade possa cair significativamente com o aumento da alíquota".

Albuquerque desenvolveu um modelo dinâmico de equilíbrio geral com bens intermediários e custos de intermediação e liquidez para analisar os impactos econômicos de contribuições como a CPMF . Ele mostra que a CPMF, no equilíbrio, "reduz o estoque de capital, a produção e os salários. Quanto maior a utilização de bens intermediários pelas firmas, maiores os danos causados pela CPMF".

Gustavo Freire/AE

Back to the index


Valor Econômico, June 21, 2001

Estudo do BC mostra que governo é o maior pagador de CPMF

Claudia Safatle, De Brasília

É o próprio governo o grande pagador da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF ). Isso porque a CPMF é paga por todos os tomadores de recursos no mercado. E como o governo é o maior tomador de recursos, é ele mesmo quem paga mais CPMF. Ou seja, parte dos R$ 18 bilhões que ele arrecada por ano não passa de receita "fictícia".

Essa é uma das conclusões de um estudo feito pelo economista Pedro Henrique Albuquerque, do Banco Central, entitulado "Os Impactos Econômicos da CPMF: Teoria e Evidência", numa das primeiras tentativas de medir os danos desse tributo à economia.

A CPMF, que vigora até junho de 2002 pela legislação atual, deve ser prorrogada por proposta do governo. Dos partidos com candidatos à sucessão presidencial, até agora apenas o PT se posicionou a favor da permanência do tributo.

O governo já detectou, contudo, que a prorrogação da CPMF é uma alternativa mais palatável para o Congresso do que o debate sobre um imposto substituto. O trabalho de Albuquerque é oportuno diante dessa discussão. Embora não represente o pensamento do BC, o "working paper" foi previamente autorizado pelo diretor do Banco Central, Ilan Goldfajn.

Segundo Albuquerque calcula, se a CPMF arrecada o equivalente a 1,39% do Produto Interno Bruto, 0,37% do PIB acaba sendo juros que o governo paga sobre sua dívida por causa da própria CPMF. Os restantes, 1,02% do PIB, é que representariam a receita líquida para o Tesouro Nacional.

Estimando o PIB deste ano em algo próximo a R$ 1,3 trilhão, isso significa que dos R$ 18 bilhões de arrecadação estimada da CPMF, cerca de R$ 13,2 bilhões vão para o caixa do governo, enquanto R$ 4,8 bilhões voltam, com o tempo, para a economia a título de pagamento a mais de juros pelo governo, por causa da própria contribuição.

"É bom notar que o impacto da CPMF sobre os juros reais é instantâneo, e muito mais elevado no caso de empréstimos baseados em fundos de alta rotatividade, devido à arbitragem com a remuneração de outros ativos", explica, ao medir a influência do tributo nas taxas reais de juros dos cheques especiais, de 5,9%; "hot money", de 4,7%; e crédito à pessoa física, de 3,3% ao ano.

Mas os problemas da CPMF não se esgotam aí. O economista do BC afirma que ela reduz o estoque de capital, da produção e dos salários da economia. Tributa o investimento, penaliza a especialização, prejudica os bons pagadores de impostos - que pagam a contribuição sobre outros tributos e estão na formalidade -, aumenta as taxas de juros e de dividendos. A CPMF, ressalta, impede a expansão do crédito no Brasil e cria custos desnecessários.

Para medir o custo da ineficiência desse imposto, ele usa o conceito de "peso morto", que identificaria a perda econômica real que o país tem com a redução das transações econômicas, para escapar da incidência do imposto. Assim, a CPMF tende a corroer sua própria base de incidência.

A "perda de peso morto", calculada com base na alíquota atual de 0,38%, corresponde a 25% da arrecadação líquida. "Trata-se, portanto, de um imposto altamente ineficiente, que gera elevados custos econômicos para cada ponto percentual arrecadado", afirma. O estudo projeta ainda que a arrecadação da CPMF pode cair com o aumento da alíquota, dada a acelerada destruição da base de incidência do imposto.

O economista do BC também desmonta algumas das certezas dos defensores da CPMF. Primeiro, de que o tributo é capaz de pegar o setor informal: "Seria mais difícil evadir-se legalmente de um imposto clássico, pois a CPMF incide sobre o uso voluntário de um serviço substituível", diz ele. Segundo, que a contribuição ajuda na fiscalização, colaborando para aumentar a arrecadação de outros tributos: "O estímulo à desintermediação bancária provavelmente contribuiria para reduzir a arrecadação de outros impostos", conclui.

Back to the index


Folha de São Paulo, June 21, 2001

Banco Central divulga estudo com crítica forte ao imposto do cheque

Marcelo Billi

A CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) eleva os juros pagos por tomadores de empréstimo, aumenta a dívida pública e desestimula a competição entre empresas.

A contribuição, que levou aos cofres do Tesouro mais de R$ 42 bilhões entre 1993 e 2000, é também injusta: primeiro porque quem já paga outros impostos acaba pagando mais CPMF; segundo, porque a contribuição não é seletiva nem progressiva, ou seja, quem movimenta R$ 1 milhão paga a mesma alíquota que o assalariado que ganha R$ 500.

Essas são algumas das críticas do economista Pedro Albuquerque, autor do texto ''Os impactos econômicos da CPMF: teoria e evidência'', divulgado pelo Depep (Departamento de Estudos e Pesquisas do Banco Central).

Albuquerque utilizou modelos estatísticos para estimar os efeitos da CPMF na economia. Os resultados mostram que:

1) os tomadores de crédito são os mais prejudicados pela adoção da CPMF. O autor estima que uma alíquota de 0,38% teria impacto de 5,9% nos juros do cheque especial e de 3,3% no crédito pessoal (taxas anuais);

2) o governo sofre com o aumento da dívida pública por conta da elevação dos juros;

3) a CPMF desestimula a intermediação financeira e as operações de crédito, que já têm volumes baixos no Brasil e cuja expansão é necessária para garantir o crescimento sustentável;

4) a CPMF pune a especialização na medida em que incide mais sobre empresas que contratam mais serviços e produtos de terceiros. O tributo seria um incentivo à verticalização, reduzindo a competição;

5) impostos sobre transações financeiras acabam tributando os investimentos, inibindo os gastos das empresas;

6) tributos incidentes sobre operações financeiras não são eficientes. Impostos como a CPMF corroem a própria base tributária sobre a qual incidem, já que fazem com que os contribuintes evitem as operações bancárias.

O economista diz ainda que, ''por estimular o uso de transações financeiras fora do sistema bancário, a CPMF alimenta a informalidade, a ausência de registros e o pagamento anônimo, o que teria efeitos danosos à arrecadação de outros impostos''.

O texto pode ser encontrado na internet, no endereço http://www.bcb.gov.br/mPag.asp? perfil=1&cod=618&codP=31

Back to the index


 

 

 

Last updated on 02/06/14